segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Psiu!!!

Oh fachaboure?!

Olha é só para dizer que vou ali ser feliz e já volto...
Não esperes por mim para jantar!
Até logo

sábado, 23 de outubro de 2010

Não me largues nunca mais

"Quem és tu? Larga-me!

Porque é que me tiraste dali?

Deixa-me em paz, ali!

Que queres? Onde vais?

Não me deixes aqui.

Aqui há muita luz, muito som

Não me deixes aqui...

Desculpa, mas quem és?

[...]

......Quem és tu? O que queres?

Não interessa, não me largues...

Não me largues mais! Nunca mais..."*



Andas sempre um passo à minha frente.
Foges-me, por entre os dedos, como grãos de areia e eu busco por ti, como o mar busca a areia imensa da praia.
Não te conheço, sinto. E conheço esse teu corpo tão bem.
Parou tudo! Encontrei-te. Ficamos ali a olhar um para o outro como se fosse a primeira vez, depois de tantas vezes.
Não me fujas. Não me largues nunca mais...



*Sem Título by Prince Gusty

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Só para que se saiba...

...e porque existem músicas que dizem muito:

"Just because I'm losing, Doesn't mean I'm lost"

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Porque não saberia não o ter. Porque não saberia sequer existir.
É por isso que somos imortais.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Post-it #1

Quem me dera poder correr para os teus braços, como corro para baixo dos lençóis...

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Odeio dias em que o céu me faz viajar até longe...

Odeio dias em que o céu me faz viajar até longe.
Odeio-os porque me levam para sítios onde eu nunca estive ou para instantes que deviam ter ficado perpetuados, para sempre...
Odeio-os porque qualquer som que a minha audição seja capaz de sentir me vão deixar ou profundamente feliz, ou esmagadoramente deprimida.
Odeio-os porque não existem sentimentos neutros.
Odeio-os porque o mundo parece cair-me aos pés e porque, justamente, aos meus pés parece abrir-se uma cratera do tamanho do mundo.
Odeio-os porque não consigo dizer nada de jeito e porque tudo o que me possam dizer vai soar-me mal.
Odeio-os porque a noite é mais fria e o dia mais quente, mesmo que o termómetro diga o contrário.
Odeio-os porque o mar fica triste comigo e porque nesses dias eu amo estupidamente o mar.
Odeio-os porque eu fico triste com o mar e porque o nesses dias o mar me ama estupidamente.
Odeio-os porque fico a morrer de tédio mas quando vem a oportunidade de fazer qualquer coisa que me tire deste estado anómico, não me apetece.
Odeio-os porque adoro a maneira como me mentem, como me fazem promessas que nunca serão cumpridas.
Odeio-os porque são a minha única verdade.
Odeio-os porque são o presente, e o presente não me basta.
Odeio-os porque a 25 de Abril continua intacta sobre o Tejo.
Odeio-os porque talvez um dia a 25 de Abril não fique mais intacta sobre o Tejo.
Odeio-os porque as distancias são cada vez mais longas.
Odeio-os porque a cada minuto que passa mais minutos me separam do meu primeiro grito.
Odeio-os porque não me deixam gritar.
Odeio-os porque os carros passam repetidamente.
Odeio-os porque o doce me parece demasiado doce.
Odeio-os porque o salgado está estranhamente insosso.
Odeio-os porque a gravidade está contra o meu cabelo.
Odeio-os porque a cabeça me doí.
Odeio-os porque os hospitais estão apinhados.
Odeio-os porque as flores não cheiram a flores.
Odeio-os porque o Zé da esquina me liga 50 vezes.
Odeio-os porque a Maria Papoila nem uma mensagem me mandou.
Odeio-os porque tenho uma família.
Odeio-os porque não tenho alguma família.
Odeio-os porque o Facebook está uma seca.
Odeio-os porque não estão no You Tube os vídeos que eu quero ver.
Odeio-os porque os aviões passam menos vezes.
Odeio-os porque os pássaros não levantam voo.
Odeio-os porque parece que não sei escrever.
Odeio-os porque não tenho ninguém com quem conversar.
Odeio-os porque apareceu alguém com quem conversar e agora não sei o que conversar.
Odeio-os porque não sei cantar.
Odeio-os porque não sei dançar.
Odeio-os porque nunca ninguém me deu uma estrela.
Odeio-os porque não existem estrelas.
Odeio-os porque os filmes não passam disso.
Odeio-os porque ninguém quer ver filmes giros.
Odeio-os porque não tenho um gato.
Odeio-os porque não me apetece fazer nada.
Odeio-os porque o azul parece-me mais claro e o vermelho menos vivo.
Odeio-os porque as pessoas parecem vivas, mas sem vida.
Odeio-os porque a televisão não dá nada que preste.
Odeio-os porque na rádio passam sempre as mesmas músicas.
Odeio-os porque os auto-carros nunca andam no horário certo.
Odeio-os porque nunca vi os Radiohead.
Odeio-os porque as pedras estão espalhadas.
Odeio-os porque tenho a carteira cheia de papeis.
Odeio-os porque a minha agenda está cheia de acontecimentos parvos.
Odeio-os porque não há pão de azeitonas.
Odeio-os porque não sei como acabar os post's.
Odeio-os porque tenho que acabar este post e não me apetece.

Hoje o céu está estranho.
Hoje o céu faz-me viajar até muito longe.

sábado, 2 de outubro de 2010

"Tento Saber"

Tento saber como é que vai ser, se posso viver sem ti
Tento fugir mas eu só penso, na hora em que estás aqui
Tu nunca vens e quando apareces, finges que não há nada
Deixas-me só sempre a pensar, que chegamos ao fim da estrada

Pode parecer que sou livre, mas eu estou preso a ti
Às vezes disfarço e não consigo
Mas eu só penso na hora em que estás aqui

Ligas para mim, eu vou até ai, depois dizes que não podes
Prometo que não te quero ver mais, até que tu não me largues
Não vejo ninguém vou por ai, deixo passar as horas
Chamo-te nomes grito contigo, e tu dizes que me adoras

Pode parecer que sou livre mas eu estou preso a ti
Às vezes disfarço e não consigo
e eu só penso na hora em que estás aqui

Tento manter a calma às vezes, parece que não te ligo
Pode parecer até que te esqueço, mas só quero estar contigo
Tento dizer adeus e tu deixas, sempre uma porta aberta
Tento esconder e fujo para noite, acordo de uma directa

Pode parecer que sou livre, mas eu estou preso a ti
Às vezes disfarço e não consigo
Mas eu só penso na hora em que estás aqui


[Tento saber - Nuno Guerreiro]

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Existem coisas autênticas, inesperadas e maravilhosas.
Obrigada pelo pastel de Belém :)

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Certezas

Não tenho certezas de nada. Não tenho certezas dos meus planos.
Não tenho certezas do que quero para a minha vida.
Não sei nada e o nada é tanto...
Talvez tenha apenas certeza de que não quero isto que tenho agora, somente isto...

terça-feira, 31 de agosto de 2010

No Teu Poema

No MEU poema, também existe um verso em branco, à espera do futuro...

["No Teu Poema" - Azituna (José Luís Tinoco)]

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Coisas que me irritam (Verão)

A Natureza é de todos. Por isso e por mais umas quantas razões, que talvez não pesem tanto como esta, acho que devemos cuidar dela, tal como eu tento fazer com pequenos gestos...
Mas não, não venho aqui falar de desenvolvimento sustentável, ecologia e outros temas. Não é que não sejam importantes, é só porque hoje não me apetece.
Comecei por dizer que a natureza é de todos porque uma coisa que me irrita solenemente, faz-me urticária, espécie, deixa-me com os nervos em franja, e extremamente exaurida são aquelas pessoas que não têm mais do que fazer ao seu dinheiro e por isso têm praias...privadas!
Para mim essa realidade distante é ridícula. Até que meto o meu pé numa praia e desejei também eu ter uma praia privada. Ele são gritos de pessoas histéricas, são bolas que param a um palmo do meu nariz, é areia que atiram para cima (e como eu tenho vontade de esganar essas almas)...
E é por estas e por outras que praia me irrita. É isso e o facebook que não me deixa alterar a foto de perfil...


sexta-feira, 9 de julho de 2010

wanna be

Tenho tendência para gostar do trabalho deste senhor e companhia, mas e para contrariar o que é de praxe pensar sobre este senhor, até gosto dele e não o acho arrogante nem mesmo, como diz o Unas (outro de quem gosto bastante), um wanna be.
E eis que que surpreende nesta entrevista.
Pergunta: Reinhinho, que raio é que tu fumas, bebes ou que raio de mistura tu tomas todos os dias?? É que eu um dia quero ser como tu!

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Só uma notazinha...

Eu não sou de arranjar pretextos para comemorar o que quer que seja...mas desta vez estou a merecer!

6 cadeiras feitas em avaliação contínua :D

terça-feira, 29 de junho de 2010

Saudades de quem ainda não foi embora

Existem pessoas que sabemos que nunca, por mais que o tempo passe ou que as distâncias se alonguem, nunca nos vão esquecer e nós nunca nos vamos esquecer delas.
Existem amigos que, não estando presentes todos os dias, sabem da nossa existência ao segundo e mais, partilham connosco todos os momentos dessa existência.
Quando ele foi a Roterdão, em Abril passado, para receber um prémio que muito orgulhosa me deixou (e em modo baba) voltou com o maior sorriso do mundo esboçado nos lábios. Na bagagem trazia (além do prémio) promessa de trabalho e no olhar um futuro promissor...Fiquei feliz como nunca. Uma alegria enorme encheu-me o peito, a alma e o coração.
"Tu mereces, tu mereces!" Disse-lhe vezes sem conta, não porque é meu amigo, mas porque lhe reconheço todo o mérito.
Essa promessa adiantou-se em quase dois anos, agora restam-lhe pouco mais de dois meses em terras lusas. E com o passar do tempo o meu coração torna-se cada vez mais pequenino e apertado pelas saudades que antecipam a sua partida e ao mesmo tempo maior, pois, tal como um sonho, alimenta-se de todo o orgulho e cresce desenfreadamente...Já lhe cobrei uma festa de despedida. A maior e a melhor de todas as festas.
Também já lhe disse que me recuso, terminantemente, a ir ver os aviões a Pedras Rubras e voltar sem ele.
Vou ter saudades tuas Puto*
(It’s a quarter after one, I’m all alone and I need you now!)

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Cá estou eu, de volta...

Amigos de mi vida:
Eu sei, eu sei... não ponho cá as patinhas vai para lá de um mês e as ultimas vezes que por aqui estive foi de forma extremamente fugaz, mas eu estou de volta, juro!
Já todos vocês sabem que eu sou daquelas que se cansa facilmente das coisas e que logo a seguir se enche de saudades, que odeio rotinas mas que não gosta de coisas inesperadas. Sou assim...inconstante!
Tenho saudades da blogosfera. Das cusquices, dos devaneios, das coisinhas do quotidiano, de vos ler, de vos contar as minhas loucuras...tenho saudades.
Bem... cá estou eu, de volta...

terça-feira, 11 de maio de 2010

Um tal rapaz, um tal blog, um tal café, uma tal música...

Não somos obrigados a gostar de toda a gente. Ou tão pura e simplesmente não nutrir tão belos sentimentos pelos demais.
Não é que não goste dele*, mas as suas atitudes causam-me urticaria, e durante muito tempo a sua voz irritava-me solenemente. Hoje é-me indiferente. Nunca lhe neguei uma palavra quando devida, e por outros motivos tenho que usar da minha mais profunda cordialidade para tratar de assuntos que não podem ser resolvidos de outra forma. Uma ou outra vez até me fez rir e não posso negar que o rapaz tenta ser simpático comigo!
Se até vai com a minha cara ou não, não faço a mais pequena ideia, talvez faça das tripas coração (ou o contrário) para me falar de forma tão natural...
Até aqui parece uma história como qualquer outra: Banal e sem interesse.
Seria, se o que me trouxesse aqui não fosse descobrir que afinal o rapaz, para além de escrever maravilhosamente bem num blog pertinho do meu (que só não vou divulgar, porque afinal de contas o faz em segredo), conta em pedaços história de vida tão idêntica à minha, que até faz confusão.
Afinal, ele tem os mesmos problemas, os mesmos anseios, os mesmos prazeres, os mesmos pensamentos...
Se calhar sou tão desprezível quanto acho que és, ou então talvez esteja enganada a teu respeito!

[Banda sonora perfeita para as leituras de um tal blog, de um tal rapaz que se calhar não é bem o que julgamos ser]

* Ele é uma criatura que eu, assim como um grupo de amigos da faculdade consideramos desprezível, por conta de situações mais ou menos graves que tenham acontecido por obra e graça dessa mesma criatura.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

3 anos a balanço

Olá a todos!
Neste 3º aniversário deste blog é tempo de balanços:
O que significam 3 anos? É muito ou pouco tempo? Vejamos...
Na noite de 30 de Abril de 2007 em que encetei, ainda que a medo, este espaço aquilo que eu queria era poder escrever o que me desse na real gana sem ter que passar pelo crivo, mais ou menos, apertado da censura (que sentia à época por parte daqueles que me rodeavam). Longe estava de pensar que em apenas 3 anos ia mudar tanto e as razões que me levaram a criar este blog não fariam mais sentido.
Com o tempo, com todas as mudanças, este passou a ser só um dos meios que encontrei para dar asas aos meus pensamentos, aos anseios e devaneios, aos gostos e opiniões ou pura e simplesmente um depósito de sentimentos, bons ou maus, que por não saber o que fazer com eles percebi que se os divulgasse mais facilmente os conseguiria organizar...
3 anos e 318 post's depois, só tenho a agradecer por estarem desse lado!

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Coisas do ser e do ter

Ainda ressacada pelo entusiasmo e festejos do 25 de Abril, mas tão lúcida como antes, uma ideia afoga de súbito a minha mente, como que se fosse a agua, agonizante, a entrar lentamente nos pulmões e, sufocante, vai-me tirando, aos poucos, a vontade de ser tão livre como no dia em que nasci.
Mas, afinal, o que é a Liberdade?
Já me tinha debatido com esta questão vezes e vezes sem fim, mas nunca antes tinha chegado a uma conclusão.
Stuart Mill havia dito que a liberdade de uns acaba onde começa a liberdade dos outros, mas quanto mais penso no que quereria ele dizer, mais me embrulho em trocadilhos e mais me afogo, mesmo quando estou a chegar a um porto seguro, a espuma que outrora formou a mais alta crista de agua rebenta e leva-me na terminação das ondas, quando o mar se enrola na areia.
Li em tempos um livro, que não me fascinou, mas do qual gostei: "Onze Minutos" de Paulo Coelho onde li que " a verdadeira experiência da liberdade:[é]ter a coisa mais importante do mundo, sem a possuir".
Não sei se esta é a definição de liberdade, mas é a definição que hoje lhe quero dar...

sexta-feira, 16 de abril de 2010

asas

Quando eu nem sequer sabia o que era liberdade, quando aquilo que eu queria era que se preocupassem com o que eu fazia, quando deviam perguntar por mim, quando deviam impor-me limites, deixaram-me por minha conta e a divagar ao sabor do vento...
Não me queiram cortar as asas, agora que já não sei viver sem elas!

terça-feira, 30 de março de 2010

O Problema

Olá malta fixe! Olá malta não fixe! Olá ao comum mortal!
Estou com um problema gravíssimo. Que afinal são muitos mas todos juntos.
Um problema de expressão, porque não sei como dizer o que se está a passar;
Um problema de humor, mas a esse já todos se habituaram;
Um problema de saúde, porque isto anda a fazer-me mal, como um cancro que me corrói por dentro;
Um problema moral, porque por vezes me debato comigo mesma e com os outros e cada vez mais me afundo num mar de incertezas;
Um problema, mais que complexo (como de resto todos são), é um problema profundo, que nem no meu intimo o consigo solucionar.
Estes dias de férias têm-me feito bem.
Estar com os amigos e com aqueles que me fazem bem e a quem quero bem, ajuda-me a passar o dia, mas quando todos se vão embora, quando cai a noite, cai o meu bom humor por terra e vem aquele mix de tristeza com raiva e com umas doses de revolta...

domingo, 21 de março de 2010

5

Olá pessoas narigudas! Olá para vocês também, pessoas menos narigudas!
Vim cá só para dizer umas coisinhas que não podia deixar, mesmo, por dizer.
Cá vai:
  1. Na passada sexta-feira foi dia do Pai. Como sabem (ou já deviam saber) abomino qualquer espécie de calendarização de sentimentos, pelo que mandei só um beijinho via pombo correio para o meu papi que deve estar lá no céu.
  2. Nunca, mas nunca inventem de ir aplicar questionários. Não é coisa que uma pessoa inteligente faça.
  3. "A vida é para ser vivida como se fosse uma festa, por isso enrola a tua" foi algo de tão profundo que marcou a minha vida para todo o sempre.
  4. Há que ser "siameses" em todas as horas, e se é para cair, é para cair em divas!
  5. O 100 nada a perder mudou, mais uma vez de imagem. Não está tão fashion? (Obrigada Luís).

E pronto, está dito.

Adeus, beijinhos nas falanges.

segunda-feira, 15 de março de 2010

The sexiest man alive 2009

Como já vem sendo hábito (este ano um bocadinho mais tarde) apresento a escolha da revista People no que toca não a um mas a 100 homens considerados sexy!



sábado, 13 de março de 2010

Os meus melhores amigos

Vamos directos ao assunto que ele não pode esperar:
Isto é tipo os Óscars mas em mau. Só existe uma categoria, mas em compensação há mais que um vencedor.
E os vencedores para a categoria de "MELHOR AMIGO DA CATARINA" são:

Lenços de papel;
Brufen;
Bissoltussim;
Strepsils;
e lyomer.

A eles o meu muito obrigada por terem sido a minha mais fiel companhia nos últimos dias.
Eles agradecem à P#%$ da gripe que me atacou.

Adeus, beijinho nas pestanas.

terça-feira, 9 de março de 2010

E tenho a dizer que ...

"Liberdade de expressão é o direito de manifestar livremente opiniões, ideias e pensamentos. É um conceito basilar nas democracias modernas nas quais a censura não tem respaldo moral. "
Este é um blog pessoal.
Não é um blog institucional. Não é um blog informacional. É um blog PESSOAL.
As coisas que aqui são escritas nada mais são do que histórias mais ou menos fantasiadas, relatos da vida pessoal e devaneios que me assolam esta mente mirabolante de imaginação bastante fértil.
Não garanto informações fidedignas no que toca a noticias do mundo lá fora, não prometo assuntos interessantes, não juro imparcialidade.
Quem não se sentir interessado por este blog, tem todo o direito, mas tem mais opções por essa blogosfera fora.
Como a censura em Portugal é do tempo da outra senhora, este Blog vai continuar activo enquanto eu entender que deve estar.
Sem (100) nada a perder vou continuar a manifestar a minha opinião.
Passem bem!

segunda-feira, 8 de março de 2010

Coisas foleiras

Olá gente enrugada pelo frio!
Não sei se já vos disse que com este tempo apetece ir à praia ver o mar levar tudo o que apanha, mas para isso basta abrir a porta. Também apetece andar a saltar de país em país para ver onde é que a terra está a abanar mais...
Hoje é o dia da mulher. E agora a gaja rejubila e salta e vai jantar fora. Ò minhas aves raras, mas quem é que teve a brilhante ideia de criar um Dia da Mulher?!
Acho que no mínimo essa pessoa devia ter uma morte lenta.
Outra coisa que não cabe na cabeça de ninguém é baixar défice até 3% em 2013, pelo menos tendo em conta os direitos dos senhores trabalhadores, que são só quem faz a economia andar para a frente (digo eu, mas também quem é que vai acreditar numa gaja que só passa a economia em oral e com uma sorte do caraças?!).
Se alguém estava com saudades do ISCSP, depois de hoje, o magnifico primeiro dia da aulas do segundo semestre, essas saudades morreram foram enterradas e já estão com missa de 7º dia marcada.
Se me apetece mandar toda a gente dar uma volta ao bilhar grande? Apetece.
Chega!
Beijinho no umbigo, se estiver limpo.

quarta-feira, 3 de março de 2010

Uma coisa muito má

Olá meus queridos e fantásticos leitores!
Como é que estão hoje? Têm os pés tão frios como os meus, ou hoje só chove e faz frio aqui na rua?
Hoje venho falar de uma coisa muito, muito má.
Estão a ver o cabo das tormentas? Estão?? Ainda bem que não.
Qualquer prova oral é coisa para levar um indivíduo à loucura e nos casos mais graves é coisa para levar um indivíduo a cometer o suicídio "irónico"*. Uma prova oral de Economia é algo de indescritível. Para os católicos é como se tivesse morrido e fosse directamente para o inferno sem sequer passar pelo purgatório. Para um cantor é como se tivesse ficado afónico para todo o sempre. Para uma pulga é como se tivessem deixado de existir cães. Para a Catarina é ter que acordar às 6:30 da manhã entrar numa sala com dois professores a olhar para ela (e um colega também) e só dizer bacoradas pela boca fora!
Eu não sei qual foi o anjinho que esteve comigo, se foi o paizinho que pôs uma cunha com o deus, se foi caridade, promessa ou que raio se passou. Aquilo que sei é que ECONOMIA está feita!
Adeus economia,o prazer foi todo teu porque eu continuo a nutrir um ódio visceral por ti!
Adeus a vocês também meus leitores mais catitas.
Beijinhos no botão esquerdo do rato.
*Suicídio "Irónico" surge em vez de Anómico por gafe de um colega, num teste de sociologia

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

"A Single Man" e Economia

Como é que estão os meus leitores favoritos? O da esquerda tem uma nódoa na camisa, é melhor trocar.
Adiante.
O meu dilema académico tinha, aparentemente, chegado ao fim mal acabei o exame de economia.
Aparentemente dizia eu...
Assim que li a sinopse do filme "A Single Man" disse para mim: "Tenho que ver este filme".
As minhas experiências de idas ao cinema sozinha não foram muito felizes, vai daí tinha que arranjar companhia para o ver e por isso tornei-me na criatura mais chata à face da terra até que o Jonas e a Sofia fizeram o favor de me acompanhar ao cinema. A quem não é homofóbico aconselho vivamente. Para quem é, arrisca-se a perder dinheiro e a sair a meio do filme ou pode ser que de repente saiam de lá com uma mente mais iluminada.
O filme fez-me recordar vivências boas e menos boas, através de coincidências entre o tela e a vida real e teve o sabor doce de uma tarde bem passada no cinema em boa companhia.
Teria sido perfeito, se a meio do filme não recebesse uma notícia que amargou a minha boca: "Cati, lamento mas já não estás de férias. Tens oral de economia" disseram-me. A primeira reacção foi: Não quero. Mas logo depois caí em mim, já sei que o tem que ser tem muita força e nos próximos dias vou precisar de muita força e paciência.
Se e vir livre de economia até vou jurar que é mentira.

Até à próxima. Beijinho no canto dos olhos.

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Falsidades

Sempre ouvi dizer que os sentimentos que nutrimos pelos demais, fazem de nós pessoas mais ou menos felizes.
Pois bem, deve então ser por isso que de vez em quando fico num estado depressivo em que me apetece por termo à vida que levo e (re)começar do zero. E uma profunda tristeza se abate sobre mim e um gosto amargo de fel se apodera dos meus sentidos e uma raiva se entranha na razão. Fico colérica e logo a seguir apática.
Eu sei que não é bom, e não é por achar melhor ou gostar que cultivo este ódiozinho de estimação pelas pessoas, mas simplesmente não consigo pegar em tudo o que foi feito e/ou dito, amachucar como um papel que já não tem serventia e deitar fora (e até esse pode sempre ir para a reciclagem).
Lamento ser assim, mas não consigo mudar e juro (por tudo o que me é mais sagrado) que tentei, mas não consigo.
Sei que me consome por dentro este, que é o meu próprio veneno. Um dia hei-de morrer com uma úlcera...
Por vezes sinto-me mal por ser assim, mas sou imperfeita como todos os simples mortais e vivo assim, como falsa, falsinha vá, para os outros e para comigo, o que é bem pior.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

O Mais Louco Carnaval de Lisboa é no Politeama, com "A Gaiola das Loucas"

No dia do enterro do entrudo a grande questão é: E como foi esse Carnaval?
Com muitos balões de água e porcarias à mistura; Máscaras e acessórios pindéricos e afins??
O meu foi com muitas purpurinas e plumas, mas isso agora não interessa nada...ou até interessa. «Porquê?» Estão vocês a perguntar, suas almas curiosas.
E eu respondo «Porque fui ver "A Gaiola das Loucas" ao Politeama!» E agora vocês morrem de inveja e com razão, porque é de facto um grande espectáculo.
Para quem ainda não viu vá a correr comprar os bilhetes para ver, quem já viu deve compreender o porquê de não ser possível passar para um texto a grandiosidade do musical do La Féria.
Estou mesmo extasiada.
Os bailarinos são brilhantes, as canções fantásticas e super bem interpretadas. Carlos Quintas num papel fenomenal assim como Joel Branco que muito bem representa a pronuncia da cidade "Imbicta".
Mas é José Raposo quem recebe a minha maior ovação já que foi também quem me faz ir às lágrimas. No papel de Zázá, fez-me compreender o porquê do meu fascínio pelos espectáculos de transformismo. O porquê da minha admiração profunda por aqueles homens que se transformam em autênticas senhoras.
José Raposo mostra-se como um brilhante, extremamente brilhante actor!
A sátira politica está, também, presente. E assim se prova como um drama e comédia podem andar de mãos dadas.
Palavras para quê?! "Somos o que somos"!
Até para o ano, quando o Carnaval ressuscitar porque hoje enterra-se o Entrudo.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Este não é um blog qualquer...

Então que tal vai a vossa vida? Tão cinzenta quanto este tempo?
A minha está num tom rosado pálido, mas isso não interessa nada.
Hoje venho falar-vos deste blog.
Este não é um blog qualquer. Não, não...
Este não é um daqueles blogues remelas com artroses e catarro.
Este é um blog jovem e obeso como as crianças da sua geração, a geração fast-food.
Este é um blog viciado em novas tecnologias e como não podia deixar de ser, este blog aderiu às redes sociais.
Aqui ao lado podem tornar-se fãs da página do 100 nada a perder no Facebook.

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Eu amo você ;)

Como já devem saber, sou pouco dada a calendarizações de sentimentos, pelo que estas "datas especiais" passam-me bem ao lado.
Mas, eis que chega um dia especial.
Não, hoje não é dia dos namorados, HOJE É DIA DE S. VALENTIM. É dia de dizer às pessoas de quem gostamos, que gostamos delas, que as amamos, que as adoramos!
E por isso, meus amigos, meus queridos, meus mais-que-tudo:
GOSTO MUITO DE VOCÊS.
Do jeitinho que cada um tem, com todos os defeitos e virtudes, com todos os sorrisos e todas as lágrimas, nos bons e nos maus momentos. E nem a morte nos há-de separar!
Viva ao amor, sempre!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

"É um diamante em bruto, que me apetece começar a esculpir". Não sejas tonto, nem queiras parecer ter uma ingenuidade que há muito perdeste.
Sabes perfeitamente que que o diamante está mais para o cristal, que embora brilhante, continua falso. Tem o seu valor é certo, mas nada mais é do que um pedaço de vidro, talhado de forma a parecer mais bonito.
A verdade é que diamantes e cristais servem apenas de adorno e eu não quero ser adorno de coisa alguma.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

No dia 30 de Janeiro

Descobri que...
... numa viagem entre Lisboa e o Porto se podem percorrer distâncias bem maiores;
... daqui a uns tempos quero conhecer a Turquia;
... os centros comerciais da Noruega fecham às 6 da tarde;
... afinal, por vezes podemos aceitar coisas de estranhos;
... os portugueses não são tão hospitaleiros como se julgam;
... a probabilidade do Sporting de Braga ganhar a liga da europa é bastante baixa;
... os tradutores dos manuais de instruções de electrodomésticos têm muito trabalho;
... do último andar do edifício mais alto de Istambul se vêm nuvens aos nossos pés;
... os telhados das casas em Portugal nem sempre se adequam ao tipo de clima...
Foi um perfeito estranho que ocupou o lugar nº 10, o lugar mesmo ao lado do meu.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Dilema Académico

Do somatório entre as horas de sono que eu não dormi com o estudo privilegiado da primeira parte da matéria o produto final foi tudo menos bom. Aliás é negro o cenário que tenho na minha frente.
Não fosse isso suficiente, encontro-me ainda no meio de um dilema académico:
Dado que só posso levar à época de recurso 2 cadeiras e tenho 3 cadeiras em atraso qual delas devo preterir em função das outras?
Decidi que Teorias Sociais Contemporâneas (TSC) tenho que fazer e não me admito a mim própria deixar esta cadeira em atraso. A questão agora é: Economia ou Introdução à Análise de Dados (IAD)?
Perante este negro presságio só não choro porque a menina aqui em baixo pede muito...

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

domingo, 10 de janeiro de 2010

J&M: o nó!


Falta pouco tempo para darem o nó!

A ele conheci-o quando ainda usava o cabelo curtinho e suave como algodão, fazendo as delicias das meninas e dele, já que todas corriam para lhe fazer "cafuné"! E já lá vão quase seis anos!

Agora, as meninas continuam a suspirar por ele, quando passa no seu jeito desligadão. E o cabelo, esse já não é tão suave para fazer cafuné, mas é impossível resistir ao charme das suas rastas!

Mas, meninas ele já foi fisgado!

Ela, conheci-a quando ao entrar numa pastelaria com um amigo me disseram "esta é a namorada do Jonas".

E agora, depois de 4 anos juntos, os meus hipongas preferidos vão dar o nó e eu não vou lá estar!

Resta-me desejar-lhes as maiores felicidades do mundo!

Ao Jonas e à Mari, que é como quem diz ao João e à Mariana um grande viva :)

sábado, 9 de janeiro de 2010

BSO 2009

Orá cá está a BSO '09 que o grupinho das noites maléficas dedicou aqui à menina:

(por ordem alfabética)


  1. André Moreno:Womanizer - Sliimy
  2. Gabriel Silva: Angel - Jon Secada
  3. João Ferrão (Jonas): Sunshine - Patrice
  4. J.Nuno Ferreira (Dandy):Dreams - Van Hellen
  5. Mariana Magrisse:Ponto de Luz - Sara Tavares
  6. Marta Gouveia:Destiny - Zero 7
  7. Rafael Martins (Rafa):Blame It On The Girls- MIKA
  8. Samuel Leal:Wonderful - Gary Go
  9. Tânia Conceição:Red - Daniel Merriweather

Este ano foi caso para dizer que "tarda, mas não falha". Obrigada a todos ;)

E porque nos fazes falta, agora e sempre Together in Electric Dreams - Phil Oakey (Human League), RSF*

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

O tipo de coração

"Há muitos tipos de corações. Há corações pequenos e tímidos, há corações grandes e abertos, há corações onde é preciso meter requerimentos de papel azul e selo de garantia para abrirem as portas e outros cheios de janelas, frescos e arejados. Há corações com trancas, segredos e sistema de alarme que são como cofres de bancos. Corações sombrios e desconfiados, com fechaduras secretas e portas falsas. Corações que parecem simples, mas quando se entra lá dentro, espera-nos o mais perverso dos labirintos. E há corações que são como jardins públicos, onde pessoas de todas as idades podem entrar e descansar. Há corações que são como casas antigas, cheios de mistérios e fantasmas, com jardins secretos e sótãos poeirentos, carregados de memórias e recordações e há corações simples e fáceis de conhecer, descontraídos e leves, sempre em férias como tendas de campismo. Há corações viajantes, temerários e corajosos, como barcos à vela que nos parecem bonitos ao longe, mas que nos deixam sempre na boca o sabor amargo de nunca os conseguirmos abarcar... Há corações missionários, despojados e enormes. Há corações que são paquetes de luxo, onde o requinte é a palavra-chave para baterem... Há corações que são como borboletas e voam de um lado para o outro sem parar, numa pressa ansiosa de viver tudo antes que a vida se acabe. Há corações que são como elefantes do zoo, muito grandes, pacíficos e passivos que aceitam viver limitados pelos outros e que até tocam o sino se os tratarmos bem e lhes dermos mimos e corações aventureiros, sempre prontos para partir em difíceis expedições e se ultrapassarem a si mesmos. Há corações rebeldes e selvagens que não suportam laços nem correntes, corações que correm tão depressa como chitas e matam como leoas, e depois há corações gnus, que sabem que vão ser caçados mas não fogem ao seu destino... Há corações que são como rosas, caprichosas e cheios de espinhos e outros que são campainhas, simplórios e carentes sempre a chamar por afecto. Há corações que são como girassóis, rodando as suas paixões ao sabor do brilho e da glória e corações como batata-doce, que só crescem e se alimentam se estiverem bem guardados e escondidos debaixo da terra. Há corações que são como pianos, altivos e majestosos onde só tocam os que possuem a arte de bem seduzir. E corações como harpas, onde uma simples festa provoca uma sinfonia. Há corações incondicionais que vivem tão maravilhados em descobrir a grandeza de outros corações que às vezes se esquecem de si próprios... Há corações estrategas, que batem ao ritmo de esquemas e planos, corações transgressores que vivem para amar clandestinamente e só sabem desejar o proibido e corações conservadores, que só se entregam quando tudo é de acordo com os seus padrões e valores. Há corações a motor, que vivem só para o trabalho e corações poetas só se alimentam de sonhos e ilusões. Há corações teatrais, para quem a vida é uma comédia ou uma tragédia e corações cinéfilos que registam a beleza de cada momento em frames de paixão. Há corações duros como aço, sem arritmias, onde nada risca e faz mossa e corações de plasticina que se moldam às formas dos corações que amam. Há corações de papel, bonitos e frágeis que se amachucam facilmente e desbotam à primeira lágrima, há corações de vidro que quando se estilhaçam nunca mais se recompõem e corações de porcelana que depois de se partirem ainda sabem colar os destroços e começar de novo. Há corações orientais, espiritualizados e serenos e corações ocidentais hedonistas e ambiciosos, corações britânicos onde tudo é meticulosamente arrumado segundo costumes e convenções, latinos que batem ao som da paixão e da loucura. Há corações de uma só porta que são como grandes casas de família e outros de duas portas, uma para a sociedade e outra para a intimidade. Há corações que são como conventos, silenciosos e enclausurados e outros que são como hotéis, onde se paga o amor sem amor, escandalosos e promiscuos. Há corações parasitas, que vivem do afecto dos outros sem nada dar e corações dadores que só são felizes na entrega. Mas há ainda uma ou outra espécie de corações, os corações hospedeiros que sabem receber e fazem sentir os outros corações como se estivessem em casa, que dão e aceitam amor sem se fixarem, que tratam cada passageiro como se fosse o último, enquanto procuram o coração gémeo, sempre na esperança, secreta e nunca perdida de um dia deixarem de viajar e sossegarem para a vida."
"As Crónicas da Margarida" Margarida Rebelo Pinto
E o teu coração, de que tipo é?
O meu não sei. Por vezes acho que é como um híbrido de todos estes, outras vezes acho que a cada dia é de um tipo diferente e outras ainda, acho que é de um outro tipo. Um tipo que ainda ninguém descobriu que existe!