quarta-feira, 29 de julho de 2009

bota a mão no ar!

É como dizem alguns "o regresso às origens".


e como diriam outros "bota a mão no ar"

segunda-feira, 27 de julho de 2009

sábado, 25 de julho de 2009

Hoje

Hoje estou angustiada.
Hoje não consigo dormir.
Hoje ri muito.
Hoje já chorei coisinha que chegue.
Hoje vi televisão.
Hoje vi um filme que já queria ter visto.
Hoje apaixonei-me pela banda sonora desse mesmo filme (aqui ao lado).
Hoje comi sushi.
Hoje recebi boas notícias.
Hoje queria ter algumas pessoas por perto.
Hoje gostava de não me ter enganado.
Hoje lembrei-me de pessoas de quem não me lembrava faz muito tempo.
Hoje quis ter coragem para falar a algumas pessoas (mas não tive).
Hoje gostava que algumas coisas que disse no passado não tivessem sido ditas.
Hoje queria ter dito coisas que não disse.
Hoje falei sobre aquilo que me aborrece e sobre aquilo que me deixa contente.
Hoje só bebi um café.
Hoje não consigo parar.
Hoje apetecia-me viajar sem destino.
Hoje não estou muito bem, estou assim...melancólica e num estado de estupidez agravado! São dias...

E afinal isto tudo já foi ontem...

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Coffeeshop

A minha irmã ganhou uma Dolce Gusto num desses sorteios manhosos em que sai sempre à pessoa que esta ao lado. Desta vez era a minha irmã! (brincadeirinha).
O certo é que, ainda desconhecendo as potencialidades da dita, foi na passada semana, que me desloquei à santa terrinha e à minha espera estavam as variedades de bebidas quentes e frias que a marca dispõe!
Viciada confessa em café e derivados, caí de amores pela maquineta e uma semana depois, já de volta à minha vida, sinto saudades da Gostozona, como carinhosamente a apelidei, mais do que da minha almofada!
Ele foi o belo do Espresso Intenso ou Espresso Decaffeinato para os dias em que já por mim só estava ligada à corrente, ele foi o Cappuccino temperado com canela que em matéria de temperos sempre tive uns gostos muito esquisitos, ele foi o Latte Macchiato, e até Chococino que nada mais é do que um belissimo leite com chocolate quentinho e delicioso! Ah! E para os dias em que o calor aperta o refrescante e intenso Cappuccino Ice!
Por momentos pensei que a minha casa se tinha transformado num coffeeshop, mas não!
A questão agora é: Como é que eu vou sobreviver sem a Dolce Gusto por perto, hãm?

terça-feira, 14 de julho de 2009

Desejo...



...ver e ouvir este senhor, que vem cá (Teatro Ibérico) no dia 6 de Novembro, já que perdi a oportunidade de o fazer em 2008.

Mas por enquanto fica só no desejo...

sábado, 11 de julho de 2009

Balanço

Lembram-se quando eu cá cheguei? Não? então vão lá ver se fazem o favor!

Pois bem era um qualquer Domingo de Setembro em que as pessoas viviam as suas vidas normalmente, pelo menos as que não estavam na loucura que eram as filas de entrada para o parque da Bela Vista, para verem nada mais nada menos do que a Rainha da Pop. Isso mesmo, a Madonna!

Quando cá cheguei, tentei arrumar as tralhas que trouxe o mais depressa que pude, como que se estivesse a arrumar o aperto que comigo trazia, por saber que para trás tinha deixado uma outra vida: a minha casa, a família, uns tantos amigos e a rotina de anos. Sabia que no dia seguinte me esperava um novo mundo para mim totalmente desconhecido.

No dia seguinte lá fui eu, de manhazinha, ter o primeiro contacto com o sítio que viria a ser a minha segunda casa nos próximos tempos. À chegada, esperava-me um grupo de veteranas, muito simpáticas, mas com fome de vingarem nos outros, aquilo que passaram quando foi a vez delas e, claro está, com o dia da matricula veio também a primeira praxe.

As aulas iam começar 10 dias depois. Conhecendo-me bem, os meus tios, com quem vivo neste momento, acharam por bem mandarem-me para casa durante uns dias, de modo a aproveitar todo o tempo que pudesse. E assim foi.

De volta, foi no dia 25 de Setembro de 2008 que me senti aluna do ISCSP. O dia foi cansativo. Entre o saltar e o gritar, as "granadas" e o "baptismo", as cantorias e a aula fantasma sobrou de mim uma Catarina exausta, mal-cheirosa, e com uma nhanha espalhada pelo corpo e no meu rico cabelo.

O inicio é sempre estranho. As conversas de ocasião são constantes, há trocas de números de telemóveis e e-mail's, fazem-se as mais esquisitas perguntas, contam-se histórias do arco da velha...enfim, o de sempre.
E foi esse grande (ou não assim tão grande) Jantar do Caloiro que começou a promover ligações mais fortes na turma!

Era terça-feira. Acabadinhos de sair de uma aula de IAD (a.k.a. Introdução à Análise de Dados) quando somos quase que intimados a comparecer em tribunal...Tribunal de Praxe!
Já se tinham passado quase dois meses, e eu estava tudo menos adaptada à vida ISCSPiana. As aulas nada tinham a ver com aquilo que imaginara (eram demasiado parecidas com as do secundário, que salvo raras excepções, tanto odiei), os colegas muito simpáticos, mas à primeira vista em nada se assemelhavam comigo. Nem conversa tinha para eles, como disse em tempos a um amigo de sempre. E veio a primeira (de muitas) vontade de desistir.
Mas, e depois de uma longa conversa com o M., achei que era cedo demais para cruzar os braços. As coisas melhoraram. Depois de decidir que ia ficar por ali mesmo, achei que talvez fosse a hora de deixar que os outros me conhecessem. Aproximava-se a Gala ISCSPiana, e com ela veio o primeiro jantar de amigos.

Pouco tempo depois, foi durante o tempo em que supostamente estaríamos numa conferência que não interessava nem ao menino Jesus, que decidimos jogar ao temível (ou não) "verdade ou consequência". Poderia muito bem ter escolhido as consequências ou então ter inventado a mais medonha mentira que me desse na real gana, mas achei que seria bom ver certas reacções e expressões nas caras deles, quando soubessem um pouco mais sobre mim. Quando soubessem que esta menina pode ser muito diferente do que imaginam!

Estávamos já em Dezembro e com o Natal vêm as tão desejadas férias!
Mas, depois de duas semanas de mão dada com a vidinha de sempre, é mais difícil voltar, ainda mais quando nos espera o último mês de aulas e a época de frequências (pela primeira vez na vida) está à porta!

Diz o povo que "o que tem que ser, tem que ser e tem muita força" e lá vem a menina por aí a baixo, trazendo consigo nova vontade de desistir, ainda que sem saber. Vai daí, já tinha o discurso preparado para anunciar a todos da minha decisão, quando em conversa com o J. me foi relembrada a vontade que o meu pai tinha em que eu estudasse, como nenhum outro filho dele o tinha feito até aqui. E não só porque é a vontade do meu pai, mas muito por isso, continuei a luta.

As amizades foram solidificando-se! Nesta altura já se davam palpites sobre as vidas dos outros e dizia-se já o que se pensava muito em jeito de brincadeira. Era uma chuvosa manhã de terça-feira, e Janeiro já se aproximava do fim. Os ânimos estavam alterados a pressão das frequências estava a deixar-nos stressados e o cinzento do céu começava a deprimir. Nunca achei que fosse ouvir aquelas palavras vindas de tal boca. Sempre com as suas brincadeiras, aquele tipo de conversa foi qualquer coisa de extraordinário! Fez-me pensar, virar a página e encerrar um capítulo pouco feliz da minha vida. Obrigada por isso G.!

Fevereiro chegou, e com ele veio a tão temida época de frequências! Entre os péssimos resultados e discussões com colegas de turma, vieram os aniversários da minha avó e da minha tia que permitiram relaxar por uns momentos.
Quando eu digo que os resultados foram péssimos não estou a exagerar. Chumbar 4 em 6 cadeiras é o pânico! Sendo que o que mais me doeu foi ser excluída no primeiro exame oral da minha vida.
E adivinhem? Isso mesmo! Apeteceu-me fugir para bem longe e deixar tudo para trás!

Lá veio o Carnaval, um dos mais divertidos de que me lembro, e a energia que me faltava para enfrentar a realidade e continuar uma guerra, onde já ia a perder uma batalha.

Março dava, já, os primeiros sinais de vida e o segundo semestre também!
Olhando para as novas cadeiras, achei que até poderiam ser interessantes. E com um bocadinho de sorte, algumas aulas até foram divertidas!

Resolvi que este semestre ia ser diferente. E foi, realmente.
Primeiro permiti-me ser feliz sozinha ou acompanhada. Fiz questão de conhecer novos sítios e outras pessoas e tive que, de uma vez por todas, aceitar que a felicidade de uns pode significar a infelicidade de outros, mas a vida é assim mesmo!
Achei que neste semestre devia seguir um dos princípios de Bolonha, que visa que cada aluno trace o seu caminho académico, e por isso fui às conferências que me interessavam.

A Primavera chega mais tarde ao ISCSP, mas chega com a força e a energia que todos estávamos a precisar e a festa aconteceu Spring Emotions 09!

A vida corria-me bem, mas algumas pessoas fizeram questão de me estragar a felicidade! Não bastava já a minha falta de vontade para estudar!
Nova época de frequências e de novo os resultados estavam a ser maus. Primeiro comecei a desesperar, depois decidi que precisava de uns dias só para mim e por fim decidi que tinha que passar de ano ou então ia fazer as minhas malinhas e fazer-me à vida. Estava determinada!

A determinação foi tal, que este semestre consegui fazer todas as cadeiras, safando-me como podia. Para a próxima semana começa a época de recurso e lá vou eu tentar a minha sorte nas cadeiras que ficaram pendentes no primeiro semestre! Depois, em Agosto, chegam as merecidas e tão desejadas férias e em Setembro estou de volta ao ISCSP, nem que para lá chegar tenha que recorrer ao kung fu!

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Kung Fu

As circunstancias da vida fazem com que as pessoas se transformem ou revelem, porque se têm que safar da forma que mais lhe convém.

Hoje, eu devia estar com o Tico e o Teco adormecidos, quando saí à rua e, em vez de fazer o percurso normal de casa à faculdade, decidi inovar e não é que me aparecem uns animais (daqueles que se chamam ovelhas) que não me deixavam passar e, das duas uma: ou voltava para trás e fazia o percurso habitual, o que levaria imenso tempo, ou pedia, muito cordialmente, licença às senhoras ovelhas para passar.

Optei pela segunda hipótese, mas de nada valeu a minha polidez. Tive mesmo que revelar todo o Kung Fu que há dentro de mim e afugentar as ditas ovelhas e assim o meu dia continuou na paz do senhor...

quarta-feira, 8 de julho de 2009

A forma de falar...





Nem sempre temos consciência dos nossos sentimentos.


Até podemos suspeitar, já que todos os sintomas apontam para isso, mas não queremos que eles existam de facto, não os queremos aceitar...


Quando, por acaso, algum estímulo nos faz aceitar a realidade, o back é algo de maior mas aí surgem as explicações para as atitudes dos últimos tempos.


É um misto de sensações. Se por um lado sentimos aquela revolução de borboletas no estômago típico de adolescente que encontra novo amor, por outro um castigo moral* recai sobre nós.


Descobri que "tenho tanto p'ra lhe falar, mas com palavras não sei dizer" e por isso me sinto impotente sempre que te vejo. Pela impossibilidade de exprimir aquilo que já todos sabem, mas a minha boca não consegue anunciar.


"Mesmo que a vida mude os nossos sentidos e que o mundo nos leve p'ra longe de nós" eu quero que todos saibam que este sentimento é especial e será para sempre, porque não se trata de um amor de amantes, mas de um amor que liga eternamente dois entes queridos. Quero ainda que "nunca se esqueça nenhum segundo que eu tenho o amor maior do mundo" ok?!

E lembrei-me eu de descobrir este tão maravilhoso sentimento na véspera de fazer os dois exames orais que vão decidir a minha vida académica. è que podia ser Sábado ou Domingo, mas não, tinha que ser agora!

*A explicar oportunamente!

domingo, 5 de julho de 2009

=)

O que a música do Delta Tejo diz sobre mim (ou sobre o meu estado de espírito):

Não tenho o que dizer
São só palavras
E o que eu sinto
Não mudará *

...e eu não sei falar de amor!**

Mañana no tengo pachora pra ti
mas hoy creo que te amo.
***




Foi qualquer coisa de outro mundo ao lado dos melhores!
Fiquei com um Bom feeling...****
Fiquei com energia para enfrentar o que ainda por aí vem!






*Boa Sorte / Good Luck -Vanessa da Mata
**Não Sei Falar De Amor -Deolinda
***Creo (cariño) -Oquestrada
****Bom Feeling -Sara Tavares

quarta-feira, 1 de julho de 2009

E que tal...

...ficar espalmada contra a porta de um auto-carro, tipo pega-monstros? Bom, não é?!
E a negrura no joelho que vem por acréscimo? Fantástico!
E todo um auto-carro a rir à nossa pala? Maravilhoso!
E matéria quanto baste para estudar para o exame de amanhã e não apetece nada? Melhora muito!
ADORO!