segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Falsidades

Sempre ouvi dizer que os sentimentos que nutrimos pelos demais, fazem de nós pessoas mais ou menos felizes.
Pois bem, deve então ser por isso que de vez em quando fico num estado depressivo em que me apetece por termo à vida que levo e (re)começar do zero. E uma profunda tristeza se abate sobre mim e um gosto amargo de fel se apodera dos meus sentidos e uma raiva se entranha na razão. Fico colérica e logo a seguir apática.
Eu sei que não é bom, e não é por achar melhor ou gostar que cultivo este ódiozinho de estimação pelas pessoas, mas simplesmente não consigo pegar em tudo o que foi feito e/ou dito, amachucar como um papel que já não tem serventia e deitar fora (e até esse pode sempre ir para a reciclagem).
Lamento ser assim, mas não consigo mudar e juro (por tudo o que me é mais sagrado) que tentei, mas não consigo.
Sei que me consome por dentro este, que é o meu próprio veneno. Um dia hei-de morrer com uma úlcera...
Por vezes sinto-me mal por ser assim, mas sou imperfeita como todos os simples mortais e vivo assim, como falsa, falsinha vá, para os outros e para comigo, o que é bem pior.

5 comentários:

AnAndrade disse...

Eu não lhe chamo falsidade, chamo-lhe instinto de sobrevivência.
Vamo-nos habituando a ele, com a idade do BI a aumentar (que não a outra, a verdadeira, a que sentimos, já se sabe... ;) ).

Beijão!

Luís Gonçalves Ferreira disse...

Nós somos aquilo que sentimos pelos outros. Pelo menos a nossa parte externa, que, mais ou menos inteligentemente conseguimos moldar a gosto. O interior é mais difícil de mudar porque se faz desse sentir verdadeiro. Facilmente temos duas faces, mas a que mais no revela é a de dentro. "Quem não se sente não é filho de boa gente", já diz o povo. Essa tristeza é tão natural como a amizade verdadeira que te faz sofrer, por entre dias, por não conseguires esquecer o obstáculo. E amanhã tudo estará bem, porque, findas as adversidade, o que é forte sai reforço e o que é fraco sucumbe, por mais uns tempos.

Beijoca grande, meu bem.
Nós somos muito complexos. (E às vezes burros).

Joana Macedo disse...

Bem amiga..
És das pessoas mais verdadeiras que conheço..lutas por aquilo que queres sem nunca te esqueceres da forma mais correcta de ultrapassar os obstáculos!
Instintivamente, apoderam-se de nós certos sentimentos que não compreendemos..é a forma que, naturalmente, nos protegemos!
Lembra-te sempre que as as insignificâncias fazem a perfeição..mas a perfeiçao não é insignificante!!
BEIJOCA*

Catarina disse...

Oh Joaninha, que saudades tuas miúda!
Beijinhos :D

Joana Macedo disse...

tb tenho muitas saudades...
estou à espera que venhas cá acima!!
beijoca :p