quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

eterno...

Li, algures num blog(ue) que passei a visitar frequentemente, algo que me comoveu (o que não é muito difícil, dado o meu estado de espírito):
"Dizem - me que morreste, insistem nessa tolice.
Mal sabem eles que o amor eterno existe e que vai muito para além desse pormenor da morte."
Ao ler isto fico completamente desarmada (e as lágrimas, essas correm cara a baixo). No pensamento, vários rostos. Há um que se destaca, o seu pai!

(e as lágrimas correm mais, e o coração fica em frangalhos...)

4 comentários:

Andre'Z disse...

Minha querida:

perante isto, não há palavras que me valham.

Fica a penas a promessa de não voltar a insistir nessa "tolice", porque se o vosso (porque acredito que esteja onde estiver o teu pai, ele sente por ti o mesmo que tu sentes por ele) amor é eterno, então que o seja. Sem restrições...

Beijo!

Anónimo disse...

E fui eu que te contagiei essa tristeza e essa mágoa.

E fachabore de pôr pelo menos um tag com o meu nome, quisto tem direitos de autor!
:D

Quanto ao conteudo em si, espero que essa frangalhada e farrapada ja tinha sido recomposta, até porque essas lágrimas são de saudade... A saudade permite-nos recordar, mais que tudo, a felicidade que se viveu neste ou naquele momento, com aquela ou esta pessoa :D

ADORO-TE oh Chorona ;D

BEIJINHOOO
LUIS FRR


Ps.: e viva à RFR !

Catarina disse...

Andre: As palavras nunca foram o teu forte, agradeço os abraços, porque esses sempre foram para mim muito mais importantes!

Luis: Sim, foi por contagio teu! (ah e eu fui contagiar outras pessoas!!!)
A frangalhada vai recompor-se com o tempo...

Tb eu te adoro!

E viva à RFR!!!

Dandy disse...

Ai que vontade de te dar um abraço!